quarta-feira, 29 de maio de 2013

Fruto proíbido


Quando mais junto,
De mim te quis,
Teve que vir a morte,
Dar-te um passaporte.

Fizemos juras,
De amor,
Passamos dias,
Semanas,
E meses de dor.
 
Falamos por uma parede rasgada,
Falando sobre a nossa
Emboscada,
Que nos levou.
 
Suportamos todo o mundo,
Contra nós,
Mas ninguém
Nos quis deixar sós.
 
Um gladiador estendido,
Um último pedido,
A morte,
Por uma ilusão.
 
A amora,
É o fruto do nosso amor, Píramo,
E o sumo de ilusão,
Que nos arrancou o coração.
 
És o meu fruto proibido,
O fruto de Tisbe.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Ilusão



O que sinto,
É forte,
Do que sofro?
Penso ser uma ilusão,
Mas não me perguntes
 O porquê,
De eu viver neste dia não. ´
 
Se eles se iludem?
Disso tenho a certeza
Que sim,
Mas eu juro que não percebo,
Porque me iludem
A mim,
De uma forma
Tão ruim.
 
Ilusão,
Porque fazes sentir
Ao coração,
O que a minha mente,
Diz ser o correto?
 
Eu não mereço
Este sofrimento,
Até porque tu,
Demonstraste
O teu outro lado,
Neste preciso momento.
 
Sofro de ilusão.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Imaginação


É quente,
No frio,
É verdade,
Na mentira,
É olhar,
Sem observar,
 É rir,
 Sem sorrir.
 
É o sim,
No não,
 
É pedra,
No lugar do coração.
 
Uma dor,
Com amor,
 
É morrer,
No lugar de nascer.
 
É cantar,
 Sem falar.
 
É dormir,
Acordado,
É amar,
Sem ser amado.
 
É felicidade,
Na falsidade.
 
É imaginar,
Sem acordar.´
 
É imaginação,
Com grande diversão.

terça-feira, 21 de maio de 2013

Momentos que não voltam


Foram momentos únicos,
Em que demonstraste,
Todo o teu amor,
Foram velhos tempos
Vividos contigo,
Em que a dor,
Não quis partir
Sozinha,
E te levou.
 
Histórias,
Memórias,
Lembranças
E esperanças
Foram derramadas por ti.
 
Deixaste a minha vida,
Uma entrada,
Agora sem saída.
 
Ao teu lado sorri,
Chorei,
Amei-te,
E implorei-te para ficares
Mas tu partiste
Quando menos esperava,
Partiu a pessoa
Que eu mais amava.
 
Agora,
Sou gente
Que chora
De saudade
Que sente a tua eternidade.

Momento frágil


Se olham para mim,
E perguntam se está tudo bem,
Eu minto e digo que sim
Mas de verdade
Sinto algo ruim.
 
Porque minto?
-Eu também não sei.
 
Não quero chorar,
Mas há algo que me faz
Voltar a recordar
E a passar
Pelo passado,
Como se ele em mim
Se tivesse cravado.
 
Eu fui-me abaixo,
Mas voltei-me a levantar,
Mesmo que isso não faça
O tempo recuar,
Eu reconheci o meu valor.
 
Mas, foram momentos,
Foram recordações,
E corações.
E explicações?
 
Não existem,
Porque partiram contigo,
O meu amigo.
 
Momentos frágeis.

sábado, 18 de maio de 2013

Amiga


És alguém que nunca
Se esquece,
Mesmo quando
Algo acontece.
 
És o suporte
Que me apoia,
És alguém com coração
És tu que me dás a mão,
Quando tenho receio
De cair.
 
Amiga,
Tu tinhas mesmo
De existir,
Sobretudo,
Para me fazeres sorrir.
 
Contigo,
Já me zanguei,
Já embirrei,
Já me ri,
Mas nunca caí.
 
Por tudo isto,
És,
Foste,
E sempre serás,
A minha amiga.

A sombra


Eu posso perder amigos,
Eu posso perder família,
Mas nunca a minha sombra,
A minha fiel amiga.
 
-Ó sombra,
Tu que danças,
Quando eu danço,
Tu que cantas,
Quando eu canto,
Tu que choras,
Quando eu choro,
Tu que sentes
 Todos os meus sentimentos,
Porque viveste tu
Todos estes meus momentos?
 
És tu que me irritas,
E que me imitas,
És tu que me segues,
Para todo o lado.
 
Que bom que é ter,
Quem nunca me ade largar.
 
És única,
És incomparável,
Tal como eu,
És invejável.
 
Ó sombra,
Tu que me segues.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Poesia


É um sonho,
É melodia,
É vida de apaixonado,
É alegria,
Longe da infelicidade,
É escrever,
Com sinceridade
 
Poesia,
É o mundo de poetas,
É o mar das palavras,
É vida com várias estradas.
 
São rimas,
São sentimentos,
São canções,
E momentos.
 
A poesia,
É magia,
No meu dia a dia.

Longe daqui



Tão longe daqui,
Longe do teu mundo,
Eu quero-te a ti,
Nem que seja por um segundo.
 
Dois mundos separados
Dois seres enamorados,
Afastados.
 
A saudade é uma tormenta,
O amor,
Uma canção,
Mas eu com este poema,
Quero abrir o teu coração.
 
Duas almas,
Afastadas,
Por um sentimento,
 Que não se quis revelar,
Por um momento,
 Tivemos que nos afastar.
 
Já longe do teu olhar,
Que me faz pensar,
Pela estrada,
Não penso
Em mais nada,
Porque só me lembro
De ti,
Mesmo longe daí.

sábado, 11 de maio de 2013

Estrada sem fim


Uma porta abre-se,
Uma ponte atravesso,
Uma estrada começo.
 
És estrada sem fim,
És vida?
Sim, talvez
 
És corrida no tempo,
És perigo,
És o momento?

-Não,
Sou estrada sem fim,
Para os aprendizes,
Aprenderem a ser felizes,
Mas não sou ruim,
Para quem sabe cuidar de mim.
 
-Olha ao teu redor
E observa com atenção!
-Não conseguem perceber
Que precisas de segurar
E proteger,
O teu coração
Com as duas mãos?
 
Um coração perdido,
É como um ser vivo rejeitado.
O teu coração,
Precisa de ti para o ergueres
E levares contigo.
 
Quando não tiveres ninguém
Ele mostrará o seu lado amigo.
 
-Observa a estrada,
E caminha para a felicidade,
Poque  todos a merecemos de verdade.
 
Mas não te esqueças,
De derrubar os obstáculos,
Que tens pela frente,
E leva este poema, somente.

sábado, 4 de maio de 2013

Sofrimento em demasia


Fartei-me de viver,
Pensando em ti.
Fartei-me de chorar,
Fartei-me de ficar aqui,
A esperar por quem não vem.
 
Não achas que está na hora
De tudo isto acabar?
 
Tu para mim,
Foste um principio,
Mas também um fim.
 
Fizeste-me sofrer,
Fizeste-me desistir.
Já caí,
Mas ainda estou aqui.
 
Está na hora do espetáculo
Acabar,
O público já se foi embora.
 
Cometi erros,
Eu sei,
Mas foi com medo de te perder,
Não me podes condenar.

 

Acabou.

No momento


Posso parecer tão triste,
Mas ao mesmo tempo
Tão distante.
Foi um momento que eu vivi,
E me desiludi
 
Parecia tão real,
Mas também tão sonhado,
Tu eras especial,
Mas foste mal-amado.
 
Eras um sonho,
És uma desilusão,
Foste um sentimento,
Poderias ser o coração
Do momento.
 
Voaste nas asas do vento,
E vieste ler o meu pensamento.
 
Tu eras,
Tu poderias vir a ser,
Mas era preciso eu te voltar a querer.

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Lembranças


Hoje estou aqui sentada,
A pensar nos nossos momentos,
A pensar em lembranças,
A pensar nos velhos tempos.
 
Já se faz tarde,
Mas eu não consigo adormecer,
Sem perceber,
Porque te foste embora
E me deixaste pensativa.
 
Por muito longe que estejas
Eu tenho que continuar com
A minha vida.
Não és tu que me vais dar um futuro,
Tenho que ser alguém.
 
Já longe um do outro,
Começou a amizade,
Construída com sinceridade.
 
Vou-me lembrando de quando
Eu fazia piadas
E tu te rias ás gargalhadas.
 
Lembro-me das nossas discussões,
Onde não havia razões,
Mas sim dois corações,
Que não viviam um sem o outro.
 
O tempo passa,
A saudade aumenta,
A calma já está escassa,
 
Tenta.
Talvez dê.

Medo


Este nome, vai-me
Atormentando.
 
Vivo com medo de
 Que estes seja o teu último dia,
E que percas essa tua alegria
De viver,
Aprender,
E crescer
Com os que te rodeiam.
 
Vivo com medo que me partas
O coração,
Ou de sofrer uma traição.
 
Vivo com medo de não
Concretizar os meus sonho,
De ficar sozinha
Aqui,
Sem ti.
 
Vivo com medo de te ires
E não voltares.

Vivo pensando no que irei
Ter amanhã.
 
Vivo com medo do teu
Pensamento,
No que me irás revelar
Naquele momento.
 
Fico com medo, do que o tempo
Poderá
Mudar.
 
Vivo com medo,
De morrer cedo.