sábado, 30 de agosto de 2014

Estranhamente

Estranhamente vives da poesia,
Como o mágico da magia,
Estranhamente vives assim,
Vida complicada sem limites,
Sem fim.

Estranhamente amas alguém,
Sem coração,
Que não te quer bem,
Alguém com má intenção.

Estranhamente é a vida,
Estranho,
É esse teu ser,
Que só veio à vida,
Talvez
Só para sofrer.

Oh...oh,
Estranhamente,
Estranhamente.


Girrasol

Passo a passo,
Atravessei aquela porta encarnada,
Do outro lado da sala,
Chorava uma flor desamparada.

Túlipa, rosa,
Ou girassol,
Não sei o que era,
Mas flor,
Tal flor vi,
Que não me deixou
À espera.

Entre pétalas,
E pecíolos,
Me pediu para dançar,
Entre lágrimas
E perdões,
Pediu para eu não
A deixar.

No meio de um abraço
Disse-me que sim,
Era um girassol,
E eu o seu jasmim.

Juntos fomos,
Um dia ao altar,
Girassol pequeno
Parou de chorar.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Ao teu encontro

Já escolhi
O vestido,
O perfume,
E até o sentimento
Que te hei de
Dar,
O que quero hoje
É simplesmente
Agradar-te.

Quero tanto
Encontrar-te,
Dizer o quanto
Te amo,
O quanto
És tudo para mim,
Só te peço:
-"O que começarmos,
Não pode ter um fim."

Vou ao teu encontro,
Meus galanteador,
És tudo para mim,
O meu anjo,
Com asas de condor.

Ao teu encontro.

Mulher

Ó bela,
Como eu te Venero,
Minha Primavera
Em flor,
Ó meu amor.

Teus cabelos
Ao vento,
Aí bela,
São para mim
Um verdadeiro tormento.

Os teus olhos,
Ó bela,
Eu não posso olhar,
Pobre
De quem os olhe
E não saiba amar.

Da tua boca
Ó bela,
Eu já não sei
Falar,
Um dia beijei-a
E fiquei
Sem ar.

És a bela
Mais bonita,
Que eu já vi,
És a tela maior,
Que com tons de canela,
Eu,
Sortudo,
Um dia colori.

És aquela
Guerreira,
Por quem perderia a vida inteira.

És especial,
Cristalina
Como o mais
Puro diamante,
És única,
És natural,
És tão interessante.

Mulher,
Sentimental,
Deixa todos,
Menos aquele
Alguém especial.

Eu sei

Hoje,
Dia quatro de Março,
Encontro-me
Aqui,
No nosso quarto,
Deitada na nossa cama,
Pensando
Em tudo,
Para depois acabar a pensar
Em nada,
Hum...hum...
É melhor
Ficar calada.

Por mais
Que tu,
Aquele amante
Do meu corpo inteiro,
Negues,
E digas que é mentira,
Eu sei que é verdade,
Tu ainda sentes algo,
E eu, pela minha alma
Vou-te fazer voltar,
Com facilidade.

Eu sei
Que foi
Para reconquistarmos sonhos,
Mas sem ti
Sinto que perdi,
Metade de mim,
Metade do meu rosto.

Eu sei,
Que o futuro
Está mais perto
Do que possas imaginar,
Eu sei,
Que o teu corpo
Ainda me vai amar.

Só gostava
Que soubesses,
Que eu me encontro
Com a cabeça vazia à tua procura.
Eu sei que é estranho,
Mas eu conformei-me,
Simplesmente não te dei tudo
De mim, escondi-me cá dentro,
Pois assim, receei,
Ficaríamos mais perto
De um fim.

Tranquilizo-me,
Eu sei
Que amei,
Eu sei
Que fui amada,
Mas chegou o momento,
Chegou a hora,
De dar esta situação
Como acabada.

Eu sei...



sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Decidi

Se amanhã,
Por ocasião
Ou vontade própria,
Te decidires
A voltar,
Não te espantes,
Não me interrogues!

Sim,
Decidi mudar,
O que foi?
Apeteceu-me,
Também tenho
Direito!
Lembrei-me
De renovar,
E de me começar
A habituar,
A este silêncio.

Decidi abrir
Um pequeno
Pedaço do meu coração,
Mas descansa,
Não é para ti,
Seu ladrão.

Decidi mudar,
Mudar de hábitos
Vícios,
Criar novas amizades
E remover falsidades.

Decidi
Mudar,
Se não gostas,
Ninguém te obriga a ficar.

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Conquistei

Conquistei,
Algo conquistado,
Conquistei
Um condado.

Conquistei
Algo impossível,
Conquistei
Um lugar incrível.

Conquistei
Algo de pasmar,
Conquistei um lugar
Para amar.

Conquistei
Alguém apaixonado,
Conquistei
O meu namorado.

Conquistei,
Algo desde bem cedo,
Conquistei
O teu medo.

Conquistei,
Uma pessoa amada,
Conquistei,
Gente fantasiada.

Conquistei,
A pessoa errada,
Conquistei
A história passada.

Conquistei
A esperança,
Conquistei
Uma aliança.

Conquista,
De conquistadora,
Conquista
De alguém especial,
Não de uma amadora.

Ninguém

Ninguém,
Ninguém,
Sabe o que é amar,
Olhar nos olhos da pessoa amada
E começar a viajar.

Ninguém,
Ninguém,
Nunca sentiu
Realmente a dor,
Ninguém sabe ao certo
O quanto dói,
Nem tão pouco
Como rouba o amor.

Ninguém,
Ninguém,
Sabe ao certo
Como se deve
Viver a vida,
Se ela é lenta,
Ou talvez uma corrida.

Ninguém,
Ninguém,
Sabe nada,
Ninguém,
Ninguém,
Faz sempre a escolha acertada.

Ninguém,
Ó meu bem!

Lágrima

-"Sua gota miserável,
Sua água descartável,
Qual é a tua função?
Fazer-me sofrer de novo
Por alguém capaz
De me dar um não?"

-"Ora, ora,
Aqui a fraca
Não sou eu,
Não fui quem perdeu
O que era meu".

-"Lágrima traquina,
Bem podes tagarelar,
Eu estou bem assim,
E não é por culpa
Tua,
Que eu vou chorar."

-"Desisto,
Não estou para me humilhar".

-"Desiste,
Mas desiste
De uma só vez,
E que isto não se repita
Outra vez":