sexta-feira, 9 de junho de 2017

Estava tão bem sozinha...

Resultado de imagem para estava tao bem sozinhaEstava tão bem sozinha...
Que nem dei pelo passar
Dos dias,
Pelo passar da brisa
Na minha face rosada.
Diziam que já era Inverno
Para mim ainda era
Uma linda Primavera.

Estava tão bem sozinha...
Mas o sol veio-me chatear
Eu já era iluminada
Mas ele queria-me ofuscar.

Estão tão bem sozinha...
Tão só com a natureza,
Ouvia pássaros,
Via verdura,
Contemplava a natureza.

Eu bem que estava sozinha
Mas isto lá muito
Não ia durar,
Não é verdade?
Também um ser sozinho
Não é feliz,
Mas eu triste também não era.

Estava tão bem sozinha...
Mas tu chegaste,
Estava tão bem sozinha...
Só tu não reparaste.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Diz, ama...

Resultado de imagem para fazer algoDiz, ama, grita
Salta, canta, brinca
E chora.
Se não és feliz
Desse jeito sossega
Vira as costas
E vai-te embora.

Abraça, cuida, protege
Olha e sorri
És importante para a vida.
Encara-a!
Ela escolheu-te a ti.

Acorda, dorme
Cai
Mas torna-te a levantar.
O chão
Não é a cama
Onde rebolas
Pensas
E ficas a sonhar.

Agora chama, queima,
Arde, rasga, corta
E fere
Quem ousar apedrejar-te,
Mil loucos por te amar
E um a sufocar-te.

Liberta-te, foge
E declama a tua liberdade,
Viva a independência
Viva o hino da humanidade.



Ainda não foste embora

Resultado de imagem para ainda nao foste emboraAinda não foste embora
E o teu cheiro já mudou,
Ainda não foste embora
E o meu mundo já desabou.

Ainda não fizeste a mala
Mas o meu coração
Já fechou,
Ainda não guardaste a foto
Nem as lembranças
De duas crianças,
E o tempo parou.

Ainda não abriste a porta
De casa,
Somente a da escuridão,
Levo-te a ti
Como um grande amor
E tu a mim
Como desilusão.

Ainda não foste embora
E cá dentro já nevou,
Sentimentos já tenho poucos
Pois foste tu
Quem os levou.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

A ti

A ti que me olhas
Mas hesitas para me tocar
Dou-te mil anos
De toque,
Onde te sufoque
Com a minha pele fervorosa
De vingança.
O ódio que tenho por ti,
É o ódio de um pedófilo
Por uma criança.

E a ti que passas
E não te interrogas
Desejo-te uma morte silenciosa,
Se não falaste
Já não vais falar
Que sou eu a criminosa.

A ti desejo-te
O esquecimento
O mais pesado
E ruidoso esquecimento,
Aquele que te arranca
As vísceras
No momento
Em que te ouças lembrar.

A ti,
Desejo o mal
E só o pior
Do mundo
Para alguém tão mesquinha
Como tu.

O mal...
O mal!
Ó pedra sem sal.






Chama

Chamam-me tudo
Eu não sou nada,
Apenas alma incerta
Que desliza na brisa sentida
Em plena madrugada.