sábado, 6 de setembro de 2014

Depois do adeus

Pensei vir a sofrer,
Pensei nunca mais te ver,
Deixei de acreditar
Que iria
Um dia te encontrar,
Perto de mim,
Junto de um jardim,
Tu voltaste
Para me resgatar,
Não cumpriste
A promessa e levaste-me contigo,
Hoje,
Olhando o teu rosto,
Tenho a certeza,
Não eras só um amigo.


Mão

Tu que me ajudas,
Tu que me recusas,
Tu que me acolhes
E socorres,
Quando mais ninguém o faz,
Porque és sempre tu
Nas coisas boas
E até nas más?

Tu que me envolves
Nos teus dedos,
E dizes ser só tua,
Tu que momentos depois
Com frieza e maldade
Me apontas a rua.

Aí mão,
Sou fantoche,
Sou trapo velho
Nessa tua indecisão.

Mão...