segunda-feira, 5 de junho de 2017

Chama

Chamam-me tudo
Eu não sou nada,
Apenas alma incerta
Que desliza na brisa sentida
Em plena madrugada.

Sem comentários:

Enviar um comentário